Neste 9 de fevereiro, mais de 100 países participam do Dia da Internet mais Segura. No Facebook, desenvolvemos produtos, políticas e programas educacionais para ajudar a manter as pessoas em um ambiente saudável.

No entanto, a conversa mais importante sobre segurança acontece entre uma criança e seus pais ou responsáveis. A tecnologia mudou a maneira como as pessoas se conectam, mas para as famílias, as conversas com as crianças sobre a segurança continuam seguindo a mesma lógica.

Confira a seguir algumas dicas da Head de Global Safety do Facebook, Antigone Davis, para ajudar os pais a ter mais controle sobre a segurança e a privacidade de seus filhos, e também a manter as crianças mais seguras online:

1) Continue usando os métodos que funcionam. Geralmente, você pode usar o mesmo estilo na educação do seu filho tanto para as atividades offline quanto online. Se você perceber que consegue obter resultados melhores com um acordo negociado, crie um contrato que vocês dois possam “assinar”. Ou, talvez, apenas garanta que o seu filho conheça as regras básicas. Nesse caso, você pode estabelecê-las o mais rápido possível assim que adquirir o primeiro dispositivo móvel para ele.

2) O velho ditado que diz que seus filhos “fazem o que você faz, não o que diz” vale tanto para atividades offline quanto online. Tente ser um bom exemplo. Se você limitar o tempo de uso de dispositivos móveis ou mídias sociais (por exemplo, proibindo enviar mensagens após às 22h) para o seu filho, fará uma grande diferença se agir desse modo também. Se você quer que o seu filho seja educado online, seja um exemplo de educação e respeito ao enviar mensagens a ele.

3) Envolva-se rapidamente e estabeleça regras. Dados afirmam que os pais devem se envolver online com seu filho quando ele estiver presente nas mídias sociais, enviando solicitações de amizade assim que eles começarem a usar o Facebook ou seguindo seu perfil no Instagram assim que abrirem uma conta. Isso tende a se complicar se você esperar muito. Vale destacar que, assim como acontece com atividades offline, é fundamental estabelecer uma base para diálogos em relação a atividades online o mais cedo possível. Mesmo antes deles começarem a usar mídias sociais, converse com as crianças sobre a tecnologia em geral. Isso pode ajudar a criar uma base para as próximas conversas.

4) Aproveite momentos importantes. Existem vários momentos para essas conversas: quando seu filho ganha o primeiro celular (é um bom momento para estabelecer regras básicas), quando ele completa 13 anos e pode se cadastrar no Facebook, Instagram e em outros serviços de mídias sociais, ou quando o seu filho tira a carteira de habilitação (é um bom momento para discutir a importância de não enviar mensagens ao dirigir).

5) Peça para o seu filho ensinar você. Não possui Instagram? Gostaria de experimentar um serviço de streaming de música? Se o seu filho já sabe usar essas plataformas, ele poderá ser uma excelente ajuda. A conversa também pode ser uma oportunidade para debater diversos problemas de segurança e privacidade. Você pode, por exemplo, fazer perguntas sobre as configurações de privacidade enquanto cria a sua própria conta do Facebook. Além disso, como a maioria dos pais já sabe, o seu filho ficará muito feliz com a oportunidade de ensinar algo a você.

Os pais também precisam ficar atentos sobre as boas práticas online para evitar que seus filhos usem exemplos ruins como referência de comportamento digital. Seguem algumas dicas a seguir:

1) Pense antes de publicar. É fácil se deixar levar e escrever ou fazer algo que pareça engraçado naquele momento. Mas lembre-se de que o que você diz pode ferir alguém ou ser usado contra você posteriormente.

Nós consideramos útil se questionar antes de publicar. É assim que eu quero que os outros me vejam? Alguém pode usar isso para prejudicar a mim ou a minha reputação? Eu ficaria triste se alguém compartilhasse isso com outras pessoas? Qual é a pior coisa que poderia acontecer se eu compartilhasse isso?

Vale lembrar ainda que qualquer informação que você publicar (seja em um comentário, nota ou vídeo) poderá ser compartilhada de maneiras não previstas por você. Antes de publicar algo, pergunte-se: Eu teria problemas se o conteúdo compartilhado por mim fosse divulgado na minha escola ou para o meu futuro empregador?

Sem dúvidas, todos nós cometemos erros. Caso você esteja arrependido de algo que disse ou fez, nunca é tarde para se desculpar.

2) Saiba com quem você está se comunicando. No Facebook, toda vez que você compartilha algo (uma publicação, foto ou link) é possível escolher exatamente quem pode ver o conteúdo. Você também escolhe os seus amigos no Facebook e, por isso, é importante aceitar apenas solicitações de pessoas que conhece. Caso receba mensagens ou publicações maldosas ou abusivas em seu perfil, você tem algumas opções. Dependendo da seriedade da situação, você pode ignorá-las, pedir que a pessoa pare, desfazer a amizade ou bloquear a pessoa, informar seus pais, um professor, psicólogo ou outro adulto de confiança. Todos merecem ser tratados com respeito.

3) Faça a sua parte. No Facebook, é possível denunciar conteúdos abusivos (seja no seu perfil ou no perfil de outra pessoa). Todos que usam o Facebook concordam em seguir os nossos Padrões da Comunidade, que definem que tipos de publicação são bem-vindas e quais não são. Discursos de ódio, por exemplo, violência ou bullying não são permitidos no Facebook e removemos esse tipo de conteúdo quando ele é denunciado. Você também pode denunciar Páginas, Grupos, Eventos inapropriados e perfis falsos ou impostores. (Lembre-se de que as denúncias são anônimas, portanto ninguém saberá quem reportou o problema)

Essa lista de dicas é apenas o começo. O Facebook é uma comunidade, mas uma comunidade só funciona bem com certas regras e recursos para garantir o sentimento de segurança das pessoas. Por isso, nós nos esforçamos para oferecer à comunidade do Facebook as ferramentas necessárias para que todos sintam-se seguros e apoiados. No entanto, a comunidade também exige cuidado e responsabilidade por parte de seus participantes. Este mês, reserve um tempo para pensar sobre como você pode contribuir para a boa vizinhança no Facebook.