Atualização em 15 de agosto de 2018, às 19h:

Removemos 7 contas e 2 Grupos adicionais associados ao PCSD que foram criados após termos anunciado a remoção deles do Facebook. 

Texto original – publicado em 15 de agosto

Milhões de pessoas no Brasil e em todo o mundo usam nossos serviços para se conectar com temas que são importantes para elas e para ter suas vozes ouvidas. Temos uma responsabilidade muito grande e fazemos tudo o que podemos para manter um ambiente seguro e autêntico em nossas plataformas.

Por isso, como parte de nosso esforço permanente para evitar o abuso de nossos serviços, nós removemos hoje uma rede de 74 Grupos, 57 contas e 5 Páginas do Facebook no Brasil que violaram nossas políticas de autenticidade e spam, por encorajar e permitir a obtenção de seguidores e curtidas, e até a troca de Páginas, com o objetivo de falsamente ampliar o engajamento em busca de ganho financeiro.

Nossa investigação descobriu que uma entidade identificada como PCSD, baseada no Brasil, usou uma rede de Grupos, contas e Páginas onde as pessoas podiam comprar e vender reações, seguidores e Páginas, violando repetidas vezes nossos Padrões da Comunidade. Nós não permitimos um comportamento inautêntico coordenado e estamos banindo o PCSD de nossa plataforma.

Nós fomos alertados sobre essa rede pelo Digital Forensic Research Lab, do Atlantic Council, que tem fornecido informações em tempo real ao Facebook sobre ameaças de abusos e campanhas de desinformação. A rede foi detectada durante uma investigação sobre a falsa amplificação de Páginas políticas na recente eleição no México.

No Facebook, estamos investindo em pessoas e tecnologia para manter pessoas mal intencionadas e conteúdo ruim fora de nossos serviços. Temos cerca de 20 mil pessoas trabalhando em áreas de integridade, segurança e revisão de conteúdo em todo o mundo, o dobro do que tínhamos no ano passado.

Apenas no primeiro trimestre deste ano, nós removemos 837 milhões de conteúdos de spam e derrubamos 583 milhões de contas falsas em todo o mundo – muito disso antes de qualquer denúncia da comunidade ao Facebook. Usando tecnologia como machine learninge inteligência artificial podemos detectar abusos da nossa plataforma e agir mais rapidamente.