Por Antonia Woodford, Gerente de Produtos

Sabemos que as pessoas querem ver informações precisas no Facebook, então, nos últimos dois anos, tornamos a luta contra desinformação uma prioridade. Um dos muitos passos que tomamos para reduzir a propagação de notícias falsas é trabalhar com verificadores de fatos independentes para analisar e classificar a precisão de conteúdos. Até hoje, a maioria dos nossos parceiros de verificação de fatos se concentrou na revisão de textos. No entanto, também temos trabalhado ativamente para elaborar novas tecnologias e parcerias para que possamos lidar com outras formas de desinformação. Hoje, estamos expandindo a verificação de fatos para fotos e vídeos para todos os nossos 27 parceiros em 17 países ao redor do mundo (e regularmente novos parceiros de verificação de fatos são adicionados ao sistema). Isso nos ajudará a identificar e tomar medidas mais rapidamente contra mais tipos de desinformação.

Como isso funciona?
Similar ao nosso trabalho para textos, construímos um modelo de machine learning que usa diversos sinais de engajamento, incluindo o feedback de pessoas no Facebook, para identificar algum conteúdo potencialmente falso. Nós enviamos estas fotos e vídeos para os verificadores de fatos para revisão, ou eles mesmos podem encontrar tais imagens. Muitos de nossos parceiros de checagem de fatos independentes têm experiência e conhecimento em avaliar fotos e vídeos, e são treinados em técnicas de verificação visual, como pesquisa de imagem reversa e análise de metadados, como quando e onde uma foto ou vídeo foi feito. Os verificadores de fatos podem avaliar a verdade ou a falsidade de uma foto ou vídeo combinando essas habilidades com outras práticas jornalísticas, como o uso de pesquisas de especialistas, acadêmicos ou autoridades.

À medida que recebemos mais avaliações de verificadores de fatos de fotos e vídeos, poderemos melhorar a precisão do modelo de machine learning. Também estamos continuamente investindo em outras tecnologias para melhor reconhecer um conteúdo falso ou enganoso. Por exemplo, usamos o reconhecimento óptico de caracteres (OCR, na sigla em inglês) para extrair o texto de imagens e compará-lo a manchetes de artigos dos verificadores de fato. Também estamos trabalhando em novas formas de detectar se uma foto ou vídeo foi manipulado. Essas tecnologias nos ajudarão a identificar fotos e vídeos potencialmente mais enganosos para que sejam enviados aos verificadores de fatos para revisão manual. Saiba mais sobre como abordamos este trabalho em uma entrevista com Tessa Lyons, gerente de Produto do News Feed, com a transcrição de perguntas e respostas abaixo.

Como categorizamos fotos e vídeos falsos?

Com base em vários meses de pesquisa e testes com vários parceiros desde março, sabemos que a desinformação em fotos e vídeos geralmente acontece de três formas: (1) Manipulação ou Fabricação, (2) Fora do Contexto, e (3) Informações em texto ou áudio associados à imagem. Esses são os tipos de fotos e vídeos falsos que vemos no Facebook e esperamos reduzir sua distribuição com a expansão da verificação de fatos para imagens.


(Veja mais detalhes em exemplos a partir de artigos dos verificadores de fatos: Animal Politico, AFP, France 24, e Boom Live)

O que há de diferente em fotos e vídeos?
As pessoas compartilham milhões de fotos e vídeos no Facebook todos os dias. Sabemos que esse tipo de compartilhamento é particularmente atrativo porque é visual. Porém, isso também cria uma oportunidade fácil para manipulação por pessoas mal intencionadas. Com base em pesquisas com pessoas de todo o mundo, sabemos que as notícias falsas se espalham de muitas formas diferentes, variando de país para país. Por exemplo, nos Estados Unidos, as pessoas dizem que veem mais informações erradas em textos, enquanto na Indonésia as pessoas dizem que veem mais fotos enganosas. No entanto, essas categorias não são distintas. O mesmo boato pode existir em muitos tipos diferentes de conteúdo, demonstrando a importância de criar defesas contra a desinformação em textos e também em fotos e vídeos.

Qual é o próximo passo?
Sabemos que combater notícias falsas é um compromisso de longo prazo, já que as táticas usadas por pessoas mal intencionadas estão sempre mudando. Ao mesmo tempo em que atuamos no curto prazo, continuamos a investir em mais tecnologia e parcerias para que possamos nos manter à frente de novos tipos de desinformação no futuro. Saiba mais sobre nossa luta contra a desinformação no vídeo Facing Facts.